DESAFIO DO METAL: MAKE-UP CHALLENGE

DESAFIO DO METAL: MAKE-UP CHALLENGE

Vocalistas de oito bandas brasileiras de Metal se uniram no chamado “Make-up Challenge”, o Desafio do Metal. Elas mostram um lado desconhecido da cantora de Metal: O look de pijama!

Participaram do desafio as bandas Lyria, Fenrir’s Scar, Anfear, Hamen, FlowerLeaf, Aetherea, BrightStorm e Lasting Maze. O vídeo do desafio foi publicado no YouTube, Facebook e Instagram da banda Lyria.

Por que o desafio? Este desafio surgiu durante essa época de quarentena. A inspiração veio através do “Don’t Rush Challenge”, em que mulheres vão do natural à montação. Segundo Aline Happ (Lyria) “Ao longo dos anos, percebemos que muitos não sabem o que é Metal, associando o estilo a barulho ou algo negativo. Assim, uma das nossas metas sempre foi levar o Rock e o Metal para o maior número de pessoas. Por meio desse vídeo, queremos despertar a curiosidade do público e mostrar a força e o estilo próprio das mulheres no Metal Sinfônico Nacional”.

O desafio foi pensado como uma forma de mostrar a união das mulheres do Metal brasileiro, mesmo em época de pandemia. A ideia é que o vídeo ajude a divulgar também as diversas bandas que contam com front-woman no Brasil.

“O Lyria sempre gostou de mostrar bandas do cenário, seja através dos festivais (Lyria Fest) ou da escolha da bandas de abertura para nossos shows. Quem sabe com esse vídeo descubramos outros talentos e mais pessoas apareçam para participar de um próximo vídeo divertido?”, finaliza Aline.

Além de Aline Happ (Lyria/RJ), o Desafio do Metal conta com Desireé Rezende (Fenrir’s Scar/SP), Andressa Lé (Anfear/SP), Monica Possel (Hamen/SC), Vivs Takahashi (FlowerLeaf/SP), Jessica Sirius (Aetherea/SP), Naimi Stephanie (BrightStorm/SP) e Grazy Mesquita (Lasting Maze/RN).

Assista ao Make-up Challenge, o Desafio do Metal:

Jennifer Kelly

Sou escritora, poetisa, radialista, e produtora de conteúdo. Durante as minhas 5 décadas de vida, respiro Rock e Metal 24hrs por dia. Apesar de ter minhas bandas e artistas preferidos, não me prendo aos velhos e consagrados nomes. Ouço muita coisa nova, o tempo todo. Essa é a minha missão, abrir as portas do submundo, tomando por legado escrever sobre bandas independentes e projetos iniciantes. Penso que se não abrirmos nossos ouvidos a quem está chegando agora, o Rock morre junto com os artistas que o inventaram e o consagraram. O Rock não pode morrer, e só dando oportunidade ao que é novo é possível mantê-lo vivo!!!!!

Deixe uma resposta

Fechar Menu